Palavras mortas

A concordância da dicção haverá de ser perfeita, em conjunto com a harmonia do olhar, sob a imensa proteção divina, que lhes favorece a simplicidade no canto da conversação.

Existem as palavras boas que favorecem bons frutos, as negativas, que produzem frutos deteriorados e as mortas, sem sentido, sem vida, sem nada.

Falemos destas últimas, para que possamos isolar das nossas comunicações o inútil, para que o imprestável não nos perturbe no grande labor diário.

Se queres conhecer a pessoa com quem estas te comunicando, observa bem o que ela fala, analisa suas frases.

Sentirás com quem andas e poderás, sem julgá-la, auxiliá-la na medida das tuas possibilidades.

Vejamos o que o Apóstolo Mateus nos notícia, no capítulo vinte e seis, versículo setenta e três: “Logo depois, aproximando-se os que ali estavam, disseram a Pedro: – verdadeiramente és também um deles, porque o teu modo de falar o denuncia”.

Já notaste as nossas intenções.

Já notaste certamente as nossas intenções em inumeráveis escritos, muitos deles publicados em forma de livros pela graça do Senhor, e a nossa alegria será que as tuas palavras, leitor amigo, denunciem o teu estado inferior reformado, a fonte que existe dentro de ti, como água divina que jamais estancará.

Trabalha e esforça-te continuadamente

Trabalha e esforça-te continuadamente para arrancar do teu íntimo as raízes que possam gerar palavras mortas, e por vezes as que ofendem e caluniam, deixando somente aquelas que multiplicam a felicidade, estabelecem a paz e avançam com o progresso.

No reino da palavra de luz, não haverá infecundidade; ela nasce e renasce eternamente, explodindo vida em todas as direções, criando e sustentando amor por todos os ambientes, multiplicando e ensejando a caridade como mãos de Deus na força do verbo.

A tua boca é a tua ferramenta; inicia, ao começar do dia, o teu trabalho, e que tal inicio seja com uma prece ao Criador, pela vida da vida que levas.

E será melhor que nada peças, mas sim, agradeças o que já recebeste das mãos dadivosas e santas de Deus.

Vigia o teu falar

Vigia o teu falar, como fazes com teu filho recém-nascido; vigia a tua fala, como costumas fazer com o teu soldo de difícil aquisição; vigia a tua pronuncia, como observas o que comes todos os dias.

Porque elas, as palavras, são mais que o teu filho, maiores que o teu dinheiro e bem mais valiosas que os teus alimentos.

A voz pertence à dinastia dos dons de ouro – que o Evangelho denomina talentos – e o empuxo dos sons que direcionamos aos outros, como sopro de vida, é aureolado pelos nossos sentimentos: quando vibra neles a força do amor, o ambiente nos faz esquecer a terra e respirar, mesmo nela, a fragrância dos céus.

Para o iniciado

Para o iniciado, desaparecem as distâncias: quando quer falar a outro, não precisa se servir do ar como veículo; serve-se da energia cósmica, que desconhece as barreiras do tempo e do espaço, tomando forma quase física aos ouvidos do receptor.

Essa energia cósmica obedece à vontade do emissor da mensagem.

Veja também! Horizontes da fala.

Os recursos da palavra

Os recursos da palavra são imensuráveis e estão ao alcance de todos, dependendo do esforço de cada um na sua necessária educação.

Quem deseja aprimorar a sua voz, não deve deixar para outra oportunidade; deve começar logo, pois ela, bem orientada, ajudará a libertá-lo da atmosfera pesada da poluição mental, formada em torno de si e em torno da terra, como acúmulos residuais de magnetismo inferior, influenciando sempre aos que o geraram.

Não canses os outros com o teu muito falar; procure ouvir também com interesse os problemas alheios, sem que eles possam te afetar.

No modo de ouvir e responder podes ajudar, se já dominas a tua força de sentir e já entendes a magia do falar. Vamos que Deus está contigo!

João Nunes Maia / Miramez
Continuação livro Horizontes da Fala

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.